Você é contra ou a favor transferir o território do Balneário Campo Bom, atualmente pertencente a Jaguaruna, para o município de Sangão?

domingo, 3 de abril de 2011

Balneario Campo Bom - Jaguaruna - Brasil

É o maior balneário do município de Jaguaruna com 9900 m de orla marítima. O território inicia na praia de Campos verdes e termina no loteamento Copo 70.  O balneário tem vida própria oferecendo aos visitantes uma razoável  infra-estrutura com restaurantes, lanchonetes, bares, supermercados, camping e hotel..         
As suas águas são próprias para banho. Além do mar para se refrescar, os turistas os moradores contam com   uma  lagoa de água doce, própria para o banho. A lagoa do Campo bom está  situa-se a margem da estrada antiga de acesso ao balneário         
Veranistas de Orleans, Urussanga, Cocal do Sul,  Morro da Fumaça, Tubarão, Sangão, Braço do Norte e tantas outras freqüentam o balneário  devido à proximidade da localidade com as cidades do entorno.
 A história deste balneário é outro ponto de destaque. Em suas águas já ocorreram vários naufrágios  causados principalmente por um traiçoeiro parcel (laje de pedra em auto mar). Localizada a 10 Km da costa, esta laje é conhecida como a pedra do Campo Bom. Neste local, naufragaram embarcações como o navio Rio Pardo, de Giuseppe Garibaldi. Após o naufrágio, ocorrido, em 15 de julho de 1839, Garibaldi e sua tripulação nadaram até a praia e caminharam até o local que hoje é conhecido como balneário Camacho. Ali tomaram outra embarcação, o Seival, no qual navegaram entrando pela barra do Camacho e indo até Laguna. Lá surpreenderam e derrotaram as forças imperiais, que os esperavam pelo mar, ocasionando o feito conhecido como a Tomada de Laguna.
Atualmente, existe um marco memorial indicando o local em que Garibaldi chegou. O marco, conforme foto acima,  fica próximo à associação de moradores no centro do balneário. Também merece destaque o naufrágio neste mesmo local, do vapor de guerra Pernambucana, em 1853, o navio alemão Sieglind, em 1893, e o cargueiro Gravataí, em 1972.

Nenhum comentário:

Postar um comentário