segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Melancia a fruta com a cara do verão


Mais uma temporada chegando e com ela inicia mais uma safra de melancia, está fruta,  que tem a cara do verão brasileiro.  Em SC não poderia ser diferente, temos vários municípios que produzem a fruta no entanto Jaguaruna tem se destacado no senario Nacional por produzir melancias com características diferenciadas quanto a qualidade e o sabor principalmente pelo teor de açúcar o que torna , entre outros atributos, um alimento energético e refrescante.

Por muito tempo a melancia foi tratada apenas como uma fruta de verão, saborosa, refrescante, com muita água e nada mais.
Nos últimos anos, nutricionistas, médicos, cientistas e pesquisadores, estenderam seus estudos sobre os benefícios da melancia na saúde e são muitas as pesquisa e recomendações para o consumo da fruta.
Hoje a melancia é considerada parte de uma dieta saudável para crianças, homens e mulheres, especialmente as grávidas.
A melancia tem excelentes níveis de vitaminas A e C, além de um bom nível de vitamina B6.
- A Vitamina A encontrada na melancia é importante para a saúde ocular e também aumenta as ações de combate à infecção dos glóbulos brancos, chamados linfócitos.
- A Vitamina B6 encontrada na melancia ajuda a produção de anticorpos, que são parte fundamental do sistema de defesa do corpo humano.
A vitamina B6 ajuda a manter normalizadas as funções neurológicas e a formar os glóbulos vermelhos.
A vitamina B6 também é importante para ajudar na assimilação de proteínas. Quanto mais proteína é ingerida, mas vitamina B6 é necessária.
- A Vitamina C encontrada na melancia ajuda a fortalecer as defesas do sistema imunológico contra infecções e vírus, e pode proteger o organismo de radicais livres prejudiciais, que podem acelerar o envelhecimento e doenças como a catarata.
A melancia também é uma ótima fonte de potássio, mineral necessário para o equilíbrio de água encontrada dentro de cada célula.
Pessoas com níveis baixos de potássio podem experimentar cãibras musculares.

A melancia é líder em licopeno

O licopeno é o pigmento que dá a cor vermelha para o tomate, melancia, etc.
A melancia contém os níveis mais elevados de licopeno se comparada com qualquer outra fruta ou vegetal ( de 15 a 20 mg por porção) e faz parte de uma dieta saudável.
Pesquisadores relatam que os carotenoides (compostos solúveis em gordura vegetal que dão pigmentos vermelhos, laranja e amarelos às plantas), podem atuar como antioxidantes que protegem as células de danos relacionados com o oxigênio.
O principal papel dos carotenoides nas plantas é neutralizar compostos criados durante a fotossíntese.
Estes compostos são geralmente o peróxido de hidrogênio ou oxigênio singleto, que em última análise, vão atacar e destruir as membranas celulares, danificando a célula.
Oxigênio singleto é o oxigênio com uma carga maior de energia, porque os elétrons orbitais exteriores, giram em direções opostas.
Os seres humanos respiram oxigênio O2. Os processos biológicos no uso do oxigênio no corpo, frequentemente criam o oxigênio singleto como um subproduto.
O oxigênio singleto é muito reativo e, portanto, deve ser eliminado do corpo antes que ocorra o dano celular.
O corpo humano usa antioxidantes, compostos que buscam o oxigênio singleto e o neutralizam.
Dos carotenoides, o licopeno é o limpador de oxigênio mais eficiente porque pode neutralizar varias moléculas de oxigênio singleto com uma única molécula de licopeno.
Outros antioxidantes são a Vitamina C (acido ascórbico) e vitamina E.

A melancia tem alto poder de hidratação

A melancia tem em sua composição, 92% de água.
A água é o nutriente mais importante para a vida – mais de dois terços do corpo humano é constituído de água.
Consumir melancia na forma da fruta em si, ou na forma de suco, já garante uma ótima hidratação do corpo humano.
O suco de melancia é encontrado já processado em qualquer supermercado e também pode ser feito em casa, sem dificuldade.
Basta bater no liquidificador 2 fatias de melancia até que fique uma mistura homogênea.
Peneire para descartar sementes e polpa, e você terá um copo de suco natural de melancia.
http://www.melancia.com.br

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Programa Campo Bom iluminado

Estamos lançando a sugestão, as autoridades do município de JAGUARUNA,  para viabilizaram um programa com o objetivo de melhorar a iluminação pública do balneario. O programa seria batizado de " Campo Bom iluminado".

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Moradores e frequentadores do Balneario Campo Bom em Jaguaruna reclamam da precariedade e da falta de manutenção da iluminação pública na praia.

As reclamações dos moradores se acumulam e mesmo assim não se observam movimentos para regularizar ou ao menos amenizar a situação da iluminação no balneário. A queima de lâmpadas dos postes de iluminação são frequentes e  à demora na substituição também é desproporcional.
Todos sabemos da importância da iluminação pública como política de transformação positiva   na  vida do balneário e dos moradores que ali residem.

A iluminação pública é essencial para a melhoria da qualidade de vida da comunidade, assim como, é fundamental  para o desenvolvimento social e econômico das localidades.  Constitui-se, sem sombra de duvida,  num dos vetores importantes para o aprimoramento da segurança pública dos centros urbanos, especialmente no que tange a redução da criminalidade, além de,  valorizar e ajudar na preservação do patrimônio urbano do lugar, de embelezar o bem público e privado  propiciando, entre outros, a prática noturna de atividades como lazer, comércio e cultura.

As autoridades devem  entender que a função primordial da iluminação urbana é tornar o balneário um ambiente seguro, confortável e bonito, onde as pessoas possam aproveitá-la também à noite. É necessário que sejam implementadas politicas publicas voltadas a melhoria desse bem publico com a implementação de tecnologia modernas, eficientes e econômicas, que assegurem o bem estar e a sensação de segurança aos usuários.

sábado, 11 de fevereiro de 2017

No link abaixo você pode conferir comentários e avaliações realizadas por internautas através do TripAdvisor que é um dos maiores sites de viagem do mundo e  que ajuda os viajantes a se planejarem com base nas dicas, fotos, avaliações e comentários feitos por usuários que já curtiram diversas atrações em um determinado destino.

https://www.tripadvisor.com.br/Attraction_Review-g3168989-d4057496-Reviews-Campo_Bom_Beach-Jaguaruna_State_of_Santa_Catarina.html

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Comer frutas todos os dias ajuda a ser mais feliz

Em fim é verão. Estação onde a dieta, a  rotina e a  disciplina alimentar fica quase sempre em segundo plano, o que é normal para a época.  No entanto é necessário um esforço para manter o equilíbrio para  preservar os bom hábitos alimentares. As frutas podem ser um grande aliado nestas horas.   As pessoas que comem frutas ficam satisfeitas com sua alimentação, interessam-se menos por alimentos industrializados e sentem-se melhor consigo mesmas. Mais do que uma opção saudável de alimento, as frutas são essenciais para o bom funcionamento do organismo. Fontes de vitaminas e minerais, elas deveriam ser consumidas todos os dias em pelo menos três porções.
Comer frutas é um dos inúmeros hábitos de vida positivos que contribuem tanto para a saúde quanto para a felicidade. Consumir mais frutas está associado a uma probabilidade 11% mais alta de sentir-se capaz e satisfeito. Além de saborosas, elas são fundamentais para a boa saúde, oferecendo vitaminas, sais minerais e fortalecendo as defesas do organismo. As propriedades benéficas para a saúde estão presentes nas frutas cruas e batidas em forma de suco. Especialmente no verão, tomar suco é uma maneira saudável de se refrescar.

O processo de digestão das frutas é mais rápido, pois possuem pouca gordura, sendo então rapidamente absorvidos os nutrientes, evitando com que você sinta aquela sensação de moleza após consumir alimentos, principalmente nesta época de verão.

O ideal é que uma pessoa não passe mais de quatro horas sem ingerir qualquer alimento. Por isso, além das três refeições principais – café da manhã, almoço e jantar – recomenda-se fazer pequenos lanchinhos. Nesses intervalos, o mais indicado é consumir uma fruta, pois é um alimento rico em micronutrientes e fibras, pouco calórico e com variedades para cada dia.

Ricas em nutrientes e também deliciosas, as saladas que combinam frutas e verduras podem ser uma boa saída para aumentar o consumo diário desse alimento. Em alguns casos, a união pode até se complementar, como acontece com a couve verde e a laranja. O ferro presente no vegetal só é absorvido na presença da vitamina C encontrada na fruta.

Depois de saber de todos estes benefícios nutricionais, procure comer frutas diariamente, não só no verão, mas em todas as estações do ano. É fácil atingir este hábito, basta acrescentar 1 porção de frutas em todas as suas refeições do dia, seja in natura ou sucos. Nas refeições intermediárias é uma ótima pedida comer uma fruta fresquinha
fonte:
portalangels.com

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

DEPOIS DE AGUADAR UM ANO PELA CONSTRUÇÃO DE ANTENA MOVEL DE CELULAR COMUNIDADE CLAMA AGORA PELA LIGAÇÃO DA MESMA

No mês de abril de 2016 ,a associação de moradores do balneário Campo Bom em jaguaruna , realizou uma reunião com autoridades municipais Prefeito, Secretários e a Presença do Deputado Federal Edson Bez de Oliveira,na pauta a instalação de uma antena de telefonia móvel no referido balneário. Participaram da reunião um grande número de moradores que aproveitaram a oportunidade para cobrar a referida antena móvel que a muito tempo era aguardada na região.
Na oportunidade o Deputado Federal Edson Bez de Oliveira prometeu a instalação da antena em breve pois a entidade já havia disponibilizado um terreno para a mesma ser instalada.
Após , dez meses antena  em fim foi construída no local escolhido pela associação ,porém já faz algum tempo que esta pronta mais não existe  previsão para que a mesma seja  ligada o que não adiantará para a comunidade uma antena desligada.
A associação solicita as autoridades competentes que  possa agilizar a ligação da referida  antena pois a temporada de verão já iniciou e os turistas e veranistas já estão chegando   no município de Jaguaruna e no balneário campo bom. A  ligação desta antena  após muita luta da associação irá ser um grande  avanço para todos os   moradores ,turistas e veranistas que passam  a temporada de veraneio  em Jaguaruna no balneário Campo Bom .É necessário que haja    mais agilidade  para que as coisa possam realmente acontecer. A comunidade  esperou  aproximadamente um ano depois do pedido para  que antena fosse construída e agora terão que esperar  ainda  quanto tempo  mais para usufruir deste serviço ,ou para que haja a ligação da antena   para que  o povo possa usufruir desta bem feitoria?
Segundo  moradores  e integrantes da diretoria da associação já foi entrado em contado com a TIM para saber  se existe uma data para que a antena seja ligada,a resposta foi que recentemente foram construída e ligadas aproximadamente quarenta antenas na região e que ainda no mês de dezembro a antena  construída no balneário Campo Bom seria ligada,agora é aguardar pra ver ,enquanto isso não acontece o povo fica sem os serviços de telefonia celular em Campo Bom e região.
Fonte:www.portaljaguaruna.com

...Em tempo
informamos que a antena de transmissão do sinal de celular da operadora TIM foi ativada no dia 6 de janeiro/2017 no Balneário de Campo Bom em Jaguaruna. 

Moradores e turistas que frequentam o Balneário Campo Bom, em Jaguaruna, agora poderão utilizar seus aparelhos celulares no local por meio da operadora TIM. A falta de sinal telefônico causava uma série de transtornos à população, que há mais de um ano reivindicava por soluções no balneário, que atrai turistas de toda a região e do país.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Sabes o que acontece com o teu corpo se consumires BETERRABA frequentemente?

Quase ninguém imagina, mas é incrível o que acontece com o nosso corpo se consumirmos beterraba frequentemente.
A beterraba é ótima para o sangue e, por consequência, para a pele.
Ela desintoxica o fígado e vesícula biliar.
É rica nas vitaminas A e C e em minerais como ferro, cálcio, enxofre e potássio. E ainda contém ácido fólico e ácido pantoténico.
A beterraba também fortalece o coração e as glândulas endócrinas; combate anemia, diabetes, derrame, obesidade e tumores em geral.
É composta pelo pigmento vermelho betacianina, que elimina toxinas do corpo
Como a beterraba é um alimento de baixa caloria, torna-se ideal para dietas.
Para ter ideia, 100 gramas de beterraba fornecem apenas 43 calorias.
As consequências positivas por consumir esta raiz são inúmeras.
beterraba

Conheça algumas:
Rejuvenesce e revitaliza, graças ao estímulo da troca de substâncias no corpo.
Protege o sistema cardiovascular.
Reduz os níveis de colesterol no sangue.
Melhora a função hepática e facilita a expulsão de toxinas.
Fortalece a pele, o cabelo e as unhas.
Neutraliza o excesso de ácido do estômago.
Ajudar a combater prisão de ventre.
Melhorar o humor
Mas não fica por aqui!
Pesquisadores descobriram que o suco da beterraba reduz a pressão arterial, diminuindo assim o risco de doenças cardíacas e acidentes vasculares cerebrais (AVC).
Os cientistas concluíram que o nitrato encontrado naturalmente na beterraba é a causa do efeito benéfico.
Aqui está uma sugestão sumo de beterraba:
1 beterraba cortada em fatia para facilitar a trituração
1 maçã cortada em fatia pelo mesmo motivo
200 mL de sumo de laranja
Bata todos os ingredientes no liquidificador.
Coe e sirva imediatamente.
Pode consumir esse sumo todos os dias, meia hora antes do café da manhã.
À noite, pode preparar de novo e tomar mais uma dose de reforço.
E ainda mais uma sobre a beterraba: estudos mostraram que ela ajuda contra o cancro – tudo graças à betaína, um antioxidante com propriedades anti-cancerígenas, que ataca o tecido tumoral.
A cor vermelha da beterraba, se não sabe, é devido à presença da betaína, que também ajuda a prevenir doenças do coração.
Para finalizar, uma maravilhosa receita, a conserva de beterraba:
Ingredientes:
1 kg de beterrabas
600 mL de água
1 colher (chá) de sal
2 colheres (sopa) de vinagre branco
Modo de preparação:
Descascar as beterrabas e corte-as em rodelas finas.
Ferva a água com o sal.
Retire do fogo e junte o vinagre.
Ponha as rodelas de beterraba em frascos esterilizados e cubra-as com a água que foi fervida.
Feche muito bem o frascos.
Vede as tampas com vácuo, da seguinte forma: coloque os frascos numa panela com a água a ferver, de maneira que fiquem completamente submersos.
Deixe ferver em fogo brando por cerca de 10 minutos.
Desligue o fogão e retire os frascos quando a água arrefecer.
Está pronta a conserva e ela dura, armazenada em frascos bem vedados (com o vácuo), aproximadamente 1 ano.
Importante: diabéticos só devem consumir beterraba com a autorização de um médico ou nutricionista.
fonte:http://www.altamente.org/

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Prioridades e desafios para a nova administração de Jaguaruna - quadriênio 2017/2020

Estamos vivenciando neste momento a  movimentação incessante  dos partidos  políticos  em identificar, em seus quadros,  pessoas com  potencial performance e perfil  de liderança,  que possam leva-los a  vitória nas eleições de  dois de outubro próximo.  
Entendemos que este processo  de seleção e escolha  dos candidatos e futuros representante dos munícipes  é natural e fortalece o sistema democrático do país.  A história nos mostra que a atuação de líderes eficazes tem sido determinante para as organizações atingirem seus resultados.  Pessoas com esses perfis  de liderança tem  capacidade  maior de motivar sua equipe e seus liderados, de assumirem responsabilidades, de convencer, de sugerir, de  formar opinião, são visionários, enfim, criam um ambiente propício ao bom desempenho como gestores da administração publica.  
Por outro lado, entendemos também que  não basta,  somente os partidos políticos, elegerem seus candidatos a disputa do pleito,  temos convicção que  mais importante que isso, é os candidatos apresentarem ,para a sociedade, suas propostas e metas de governo.
Para contribuir com os candidatos na elaboração das suas propostas de governo, realizamos uma enquete junto aos eleitores jaguarunenses  no sentido de levantarmos as principais prioridades  que devem ser implementadas pela administração publica para o desenvolvimento e fortalecimento econômico e sustentável do município de  Jaguaruna.

Ficou claro que as demandas e necessidades das comunidades e entidades de classe são muitas,  mas,  prioritariamente elegeram os tema ligados a Saúde, a educação, a  segurança, a infraestrutura dos balneários, o turismo, a assistência social, a habitação, o meio ambiente,  a agricultura, o esporte, a pesca, a indústria e comercio, a cultura e o transporte urbano como os de primeira necessidade. 

Aos candidatos que pleiteiam a vaga de prefeito municipal de Jaguaruna recomendamos que analisem as sugestões identificadas e incluam  essas como ações prioritárias da nova administração.  

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Moradores denunciam onda crescente de arrombamentos e furtos em casas de praias dos balneários de Jaguaruna.

Moradores denunciam onda crescente de arrombamentos e furtos  em casas de praias dos balneários de Jaguaruna.
Um dos problemas que se repete todos os anos é a quantidade de  furtos e arrombamento de residências nas praia.   O tema é recorrente, no entanto é necessário alertar os proprietários de imóveis,  localizados nos balneários de Jaguaruna,  que nesta época de baixa temporada os problemas com a segurança patrimonial vem se acumulando e tirando o  sossego dos moradores das praias.
O que era pra ser considerado um lugar tranquilo cercado por um clima bucólico de interior e longe dos problemas cotidianos das cidades grandes, acaba se tornando um pesadelo a população que clama por ações, do poder publico, que possam minimizar as ações desses marginais que aterrorizam a população vitimada pela roubalheira generalizada da bandidagem.

Segundo os moradores e veranistas, esses crimes são mais frequentes durante a baixa temporada, que vai de março a novembro. Nesse período, o movimento de veranistas é baixo e não há reforço no policiamento, tornando a região completamente vulnerável  aos larápios.
Não podemos fugir da realidade e muito menos tampar o sol com a peneira, a verdade é que o número de e furtos e arrombamentos é preocupante e o que se percebe  é que a estrutura da Polícia Militar, nos balneários não é suficiente para fazer a segurança da região. Durante a alta temporada, as coisas ficam mais tranquilas, porque temos a Operação Verão com o  policiamento presente nas praias. O problema é na baixa temporada.
Ao reclamar da situação, nos foi dito que não consta nas delegacias de policia um volume de registro de  roubos em residências (BO) que merecesse uma atenção especial do sistema de segurança. 

Diante desta situação,  recomendamos a todos os proprietários de imóveis  que tiveram suas residências arrombadas ou roubadas que façam um boletim de ocorrência na delegacia mais próxima ou pela internet, para que o fato ocorrido fique registrados e passe a fazer parte da estatísticas da segurança publica, possibilitando assim um futuro planejamento das ações policiais e de investimentos para segurança destas áreas.

terça-feira, 12 de abril de 2016

Praia de outono - entre na onda

Sem duvida, verão é verão, é a estação das praias, do  mar, da agitação, da confraternização, da azaração.  Porém, estou convencido que não é a única estação que se pode  desfrutar destas maravilhas que a natureza nos oferecem.  Também uma boa época pra curtir a praia e principalmente o Balneário Campo Bom é, sem sombra de duvida, no  Outono  e você deve estar pensando:  no Outono?  mas está frio!   E eu até posso concordar com você, no Outono é mais frio mesmo, mas pensa bem, isso pode ser uma vantagem  porque durante o  outono, o sol não é aquele sol escaldante de verão, é sim um sol mais ameno, que já não queima tanto e nem agride demasiadamente  a pele, ou seja,  ótimo para quem tem filhos pequenos.
Durante o Outono a água do mar ainda está quente, porque elas foram  aquecidas durante o sol intenso do  Verão  e  elevam  um bom tempo para se resfriarem, o que ocorre somente no inverno. Por esta razão ainda dá pra curtir a praia e tomar um bom banho de mar sem problemas.

Isso sem contar com os finais de tarde que são magníficos, pois  cada pôr-do-sol é único durante o Outono, além da boa estabilidade das condições climáticas.  Também é perfeito para a prática de esporte aeróbico  realizado ao céu aberto ou para quem quer namorar à beira da praia.  Em fim, vamos a praia...

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Como se prevenir de alguns contratempos da praia

Micoses: a umidade favorece a proliferação dos fungos e bactérias. O problema mais comum é a famosa frieira e os locais mais afetados são os vãos entre os dedos dos pés e virilhas. Para evitar, use cadeiras e não se sente diretamente na areia; proteja os pés com chinelos; tome uma ducha ao sair da praia para tirar a areia do corpo; não fique com as roupas de banho úmidas por muito tempo; e evite levar cães e gatos para passear na praia.

Insolação: para evitar a insolação, passe a maior parte do tempo sob o guarda-sol; use roupas leves e claras que facilitam a transpiração; proteja-se com protetor solar, chapéu ou boné; beba muito líquido, de preferência água ou suco.

Desidratação: o sol quente e forte faz com nos faz suar muito. Com o suor, no entanto, ela não perde apenas líquido, mas também eletrólitos, como sódio e potássio. A recomendação é ingerir muito líquido, de preferência água, água de coco e suco de frutas. O alerta é evitar ou consumir moderadamente a cerveja gelada, que é diurética, e pode levar à desidratação. Usar roupas leves e claras também ajuda, pois facilitam a transpiração.

Queimaduras de sol: usar protetor solar e evitar a exposição direta ao sol entre 10h e 17h são recomendações básicas. Quem abusou do sol e ficou ‘ardendo’ deve procurar descansar em um local fresco e ventilado, e tomar banho frio para aliviar o mal-estar. Outra dica é aplicar compressas frias e úmidas na pele, que deve ser mantida bem hidratada.

Alimentação: garantir a segurança dos alimentos é o princípio para evitar uma contaminação e intoxicação alimentar, interdependente de levar a comida de casa ou compra-la. Prefira uma alimentação leve, frutas frescas como pera, maçã, banana, citros, ameixa e, até mesmo, as desidratadas também pode ser uma opção. Se for comer fora, observe a higiene do local e a água utilizada. Se optar por levar a comida de casa, armazene os alimentos em bolsas térmicas com bolsa de gelo artificial para conservar a temperatura por um bom período.

Camarão na Moranga - delícias do verão

O camarão na moranga é um prato típico da culinária litorânea brasileira, está delícia pode ser servida e preparada com uma abóbora ou moranga, recheada com camarão e requeijão. Confira suas histórias e curiosidades, além de uma receita exclusiva criada por nossa equipe.

HISTÓRIAS E CURIOSIDADES sobre o prato

Para entender a história do Camarão na Moranga, vamos primeiro conhecer um pouco do local que deu origem a esse prato tão especial.
Em Ubatuba fica localizada a Ilha Anchieta, é a 2ª maior ilha do Litoral Norte paulista, com 828 hectares de exuberante Mata Atlântica em meio a montanhas e praias de águas cristalinas.
O local abrigou na década de 30 um presídio político que foi desativado após uma grande rebelião. As ruínas do presídio que ali funcionou de 1904 a 1955, hoje são um grande atrativo turístico para quem visita a Ilha.
Enquanto esteve em funcionamento, mais especificamente no ano de 1945, o presídio recebeu um grupo de presos políticos japoneses. E como é da cultura oriental esse grupo era bastante dedicado ao trabalho em atividades agrícolas e assim deram início ao cultivo de legumes e verduras na Ilha Anchieta.
Acredita-se que de tanto andar descalço e comer peixe cru, junto com a falta de higiene que era muito comum nos presídios da época, acabaram adquirindo várias doenças, entre elas a esquistossomose, conhecida como barriga d’água, que é uma infecção por parasitas, muito comum entre pessoas que trabalham no campo. Um médico local sugeriu que tomassem remédios tradicionais, mas o grupo não aceitou e passaram a plantar abóbora, pois de suas sementes era obtido um poderoso vermífugo e o problema foi resolvido.
A novidade fez tanto sucesso que os moradores do continente começaram a comprar as abóboras plantadas na ilha e torrar as sementes para comer e curar suas moléstias.
Ocorreu que durante uma das travessias da ilha para o continente uma das abóboras caiu no mar e afundou rapidamente pois havia um furo no lugar do talo. Passadas algumas semanas o fruto reapareceu cerca de 5 km de onde havia afundado, uma senhora que tinha um restaurante na praia da enseada encontrou o fruto e não pensou duas vezes, colou a abóbora inteira para ser fervida. Ao abrir a tal abóbora descobriu que dentro tinha mais de dois quilos de camarão sete-barbas. Vendo aquilo e como boa cozinheira que era teve a brilhante idéia de retirar as sementes e adicionar cheiro-verde, folha de coentro, tomate, alho e cebola.  
Estava descoberto mais um prato típico da culinária caiçara: “Camarão na Moranga”, prato este que passou a fazer parte do cardápio de muitos restaurantes litorâneos espalhados pelo Brasil.
“Camarão na Moranga, um dos carros-chefe dos restaurantes litorâneos espalhados pelo Brasil

RECEITA DO CAMARÃO NA MORANGA

Ingredientes:
1 moranga média
1kg de camarão pequeno limpo
3 camarões grandes com rabo para decorar o prato
4 limões
pimenta
sal
azeite de dendê (100ml)
azeite comum
3 tomates
1 cebola média
4 dentes de alho
salsa picada
cebolinha picada
1 caixa de creme de leite (200g)
1 copo de requeijão ou catupiry cremoso (250g)
1 pacote de queijo ralado (100g)
Modo de preparo:
Esprema 4 limões e tempere os camarões juntamente com pimenta e sal á gosto, deixe no tempero por aproximadamente 30 minutos. Atenção não jogue fora o suco de limão com tempero que você vai utilizar para temperar os 3 camarões grandes.
Abra uma tampa na moranga, retire todas as sementes, pincele com azeite por dentro e por fora, coloque água quente dentro mais ou menos até a metade, cubra com um papel alumínio e leve ao forno pré-aquecido até que fique macia.
Enquanto a moranga está no forno refogue em uma panela grande a cebola, o alho no azeite de dendê. Em seguida coloque os tomates e refogue um pouco mais. Acrescente os camarões, o requeijão e cozinhe por 3 minutos no máximo, para que não fiquem duros. Acrescente o creme de leite sem soro e o que sobrou de salsinha, cebolinha e queijo ralado, mexa até misturar e em seguida desligue o fogo.
Tempere os 3 camarões grandes no suco de limão que foi reservado anteriormente.
Se a moranga estiver macia, retire do forno, coloque o recheio e cubra com o restante do queijo ralado, da salsinha e da cebolinha. Leve novamente ao forno para gratinar.
Enquanto está gratinando refogue os camarões grandes no azeite para decorar a borda da moranga. Retire a moranga do forno, decore com os 3 camarões grandes e sirva esta delícia com arroz branco e farofa.

Obs: Você poderá fazer algumas variações no modo de preparo e ingredientes, uma opção é cozinhar a moranga em uma grande panela com água em vez utilizar o forno. Outra variação que pode ser feita é utilizar mussarela junto ao recheio que fica muito bom também. Seja criativo que o resultado sempre poderá surpreender seus convidados, e sua receita terá sua assinatura.
fonte:http://www.guiadepraias.com.br/

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

O café e a saúde do seu coração


Existem alguns órgãos do nosso corpo que funcionam como base da nossa existência. O coração é um deles.  Ao mandar sangue através dos vasos sanguíneos, ele ajuda a transportar nutrientes e hormônios para onde precisa, remover o que deve ser removido e manter um ambiente sempre apropriado para o funcionamento das células.  Ou seja, problemas no coração ou nesse fluxo de sangue são questões sérias. Interromper esse perfeito circuito de transporte afeta o funcionamento do corpo como um todo.
Hoje em dia, já é provado que o café não só não faz mal, como também é benéfico ao funcionamento do nosso coração e vasos sanguíneos (o sistema circulatório).
É o que prova um estudo de pesquisadores norte-americanos, que revisou 36 pesquisas publicadas nos últimos anos. São pesquisas que confirmam os benefícios que o café faz para o coração, entre elas:
Café pode ajudar a reduzir o risco de infarto;
O mais recente estudo que relaciona café ao funcionamento do coração foi realizado no Kangbuk Samsung Hospital, em Seul, capital da Coreia do Sul. Os médicos pesquisaram um grupo de mais de 25 mil coreanos e concluíram que os que consomem de três a quatro xícaras de café tinham menos placas de gorduras nas paredes das artérias. A presença dessas placas pode causar entupimento dos vasos e redução do fluxo sanguíneo.  Ou seja, um número menos placas representam menores obstáculos para a passagem do sangue e um corpo mais sadio.  
O café melhora o fluxo sanguíneo;
A pesquisa anterior serve para comprovar essa daqui, que é mais antiga e apresentou um número menor de participantes. Nela, cientistas de uma universidade do Japão chegaram à conclusão de que o café  poderia ajudar a regular a pressão e o fluxo sanguineo. Na pesquisa, 27 participantes foram convidados a ingerir café com  e sem cafeína. Depois cada teve o seu fluxo sanguíneo monitorado durante 75 minutos. No resultado, os participantes que ingeriam cafeína tiveram melhora considerável na circulação.
 O café reduz o risco de insuficiência cardíaca;
Outra pesquisa foi a publicada pela revista Circulation Heart Failure.  Essa foi feita por uma universidade israelense. Depois de uma análise de 15 mil pessoas o estudo constatou que aqueles que ingeriam de três a quatro porções de café, tiveram reduzido em 11% o risco de insuficiência cardíaca. A explicação para isso é o fato do café possuir um efeito anti-inflamatório, deixando as veias livres para o sangue circular.
 Ou seja, o café faz seu coração bater mais forte!

Fonte>: http://www.villacafe.com.br/

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Terrenos de marinha

A proposta de uma medida provisória do governo federal que coloca à venda os terrenos de marinha tem causado revolta nos moradores e proprietários desses terrenos. A Secretaria de Patrimônio da União (SPU)  explicou que quem comprar o terreno vai se livrar dos impostos da taxa de marinha. Já os que não quiserem realizar a compra, continuam pagando o imposto.
A SPU,  afirmou ter sido pego de surpresa com a medida e acredita a que a iniciativa decorre da crise vivida pelo governo federal. “Quem não quiser adquirir o terreno continua como está, pagando as obrigações legais. A MP traz um benefício, uma oportunidade a quem quer ser proprietário pleno do terreno. Isso vem ao encontro do desejo da União de incrementar o seu caixa mediante a alienação desses imóveis”.
A medida – que precisa ser aprovada pelo Congresso, mas já vale de imediato – fere aspectos legais e constitucionais, como a necessidade de licitação para venda de bens considerados públicos.  Além disso, quem é ocupante de imóvel terá que pagar por ele novamente.

Terrenos de marinha - MEDIDA PROVISÓRIA Nº 691, DE 31 DE AGOSTO DE 2015

Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos
MEDIDA PROVISÓRIA Nº 691, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.
Exposição de motivos
Dispõe sobre a administração, a alienação, a transferência de gestão de imóveis da União e seu uso para a constituição de fundos.
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:
 Art. 1o Esta Medida Provisória dispõe sobre a administração, a alienação, a transferência de gestão de imóveis da União e seu uso para a constituição de fundos.
 § 1o O disposto nesta Medida Provisória aplica-se também aos imóveis das autarquias e das fundações públicas federais no caso de adesão expressa do dirigente máximo.
 § 2o Não se aplica o disposto nesta Medida Provisória aos imóveis da União:
I - administrados pelo Ministério da Defesa e pelos Comandos da Marinha, do Exército e da Aeronáutica; e
II - situados na Faixa de Fronteira de que trata a Lei no 6.634, de 2 de maio de 1979, ou na faixa de segurança de que trata o § 3o do art. 49 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.
 § 3o Para os fins desta Medida Provisória, considera-se faixa de segurança a extensão de trinta metros a partir do final da praia, nos termos do § 3o do art. 10 da Lei no 7.661, de 16 de maio de 1988.
 Art. 2o Os imóveis de que trata esta Medida Provisória poderão ser alienados na forma desta Medida Provisória ou da Lei no 9.636, de 15 de maio de 1998.
 Art. 3o Para os terrenos submetidos ao regime enfitêutico, fica autorizada a remição do foro e a consolidação do domínio pleno com o foreiro mediante o pagamento do valor correspondente ao domínio direto do terreno, previsto no art. 123 do Decreto-Lei no 9.760, de 5 de setembro de 1946, e das obrigações pendentes junto à Secretaria do Patrimônio da União, inclusive as objeto de parcelamento.
 Parágrafo único.  Ficam dispensadas do pagamento pela remição as pessoas consideradas carentes ou de baixa renda, nos termos previstos no art. 1o do Decreto-Lei no 1.876, de 15 de julho de 1981.
 Art. 4o Os terrenos inscritos em ocupação e em dia com o recolhimento das receitas patrimoniais poderão ser alienados, pelo valor de mercado, aos respectivos ocupantes cadastrados na Secretaria do Patrimônio da União.
 Art. 5o A Secretaria do Patrimônio da União verificará a regularidade cadastral dos imóveis a serem alienados e procederá aos ajustes eventualmente necessários durante o processo de alienação.
 Art. 6o O Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão, permitida a delegação, editará Portaria com a lista de áreas ou imóveis sujeitos à alienação nos termos desta Medida Provisória.
 § 1o Os terrenos de marinha alienados na forma desta Medida Provisória devem estar situados em áreas urbanas consolidadas de Municípios com mais de cem mil habitantes e não incluirão:
I - áreas de preservação permanente, na forma do inciso II do caput do art. 3o da Lei no 12.651, de 25 de maio de 2012; e
II - áreas em que seja vedado o parcelamento do solo, na forma do art. 3º e do inciso I do caput do art. 13 da Lei no 6.766, de 19 de dezembro de 1979.
 § 2o Para os fins do § 1o, considera-se área urbana consolidada aquela:
I - incluída no perímetro urbano pelo Plano Diretor ou por lei municipal específica;
II - com sistema viário implantado e vias de circulação pavimentadas;
III - organizada em quadras e lotes predominantemente edificados;
IV - de uso predominantemente urbano, caracterizado pela existência de edificações residenciais, comerciais, industriais, institucionais, mistas ou voltadas à prestação de serviços; e
V - com a presença de, no mínimo, três dos seguintes equipamentos de infraestrutura urbana implantados:
a) drenagem de águas pluviais;
b) esgotamento sanitário;
c) abastecimento de água potável;
d) distribuição de energia elétrica; e
e) limpeza urbana, coleta e manejo de resíduos sólidos.
 § 3o A alienação dos imóveis de que trata o § 1o não implica supressão das restrições administrativas de uso ou edificação que possam prejudicar a segurança da navegação, conforme estabelecido em ato do Ministro de Estado da Defesa.
 § 4o Não há necessidade de autorização legislativa específica para alienação dos imóveis arrolados na Portaria de que trata o caput.
 Art. 7o O adquirente receberá desconto de vinte e cinco por cento na aquisição com fundamento nos art. 3o e art. 4o realizadas no prazo de um ano, contado da data de entrada em vigor da Portaria, de que trata o art. 6o, que incluir o bem na lista de imóveis sujeitos à alienação.
 Art. 8o Para os imóveis divididos em frações ideais em que já tenha havido aforamento de, no mínimo, uma das unidades autônomas, na forma do item 1o do art. 105 do Decreto-Lei no 9.760, de 1946, combinado com o inciso I do caput do art. 5o do Decreto-Lei no 2.398, de 21 de dezembro 1987, será aplicado o mesmo critério de outorga de aforamento para as demais unidades do imóvel.
 Art. 9o Fica a União autorizada a transferir aos Municípios litorâneos a gestão das praias marítimas urbanas, inclusive as áreas de bens de uso comum com exploração econômica, excetuados:
I - os corpos d’água;
II - as áreas consideradas essenciais para a estratégia de defesa nacional;
III - as áreas reservadas à utilização de órgãos e entidades federais;
IV - as áreas destinadas à exploração de serviço público de competência da União; e
V - as áreas situadas em unidades de conservação federais.
 § 1o  A transferência prevista neste artigo ocorrerá mediante assinatura de termo de adesão com a União.
 § 2o  O termo de adesão será disponibilizado no sítio eletrônico do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão para preenchimento eletrônico e preverá, entre outras cláusulas:
I - a sujeição do Município às orientações normativas e à fiscalização pela Secretaria do Patrimônio da União;
II - o direito dos Municípios sobre a totalidade das receitas auferidas com as utilizações autorizadas;
III - a possibilidade de a União retomar a gestão a qualquer tempo devido a descumprimento de normas da Secretaria do Patrimônio da União ou por razões de interesse público superveniente;
IV - a reversão automática da área à Secretaria do Patrimônio da União no caso de cancelamento do termo de adesão; e
V - a responsabilidade integral do Município, no período de gestão municipal, pelas ações ocorridas, pelas omissões praticadas e pelas multas e indenizações decorrentes.
Art. 10.  Ficam transferidos aos Municípios e ao Distrito Federal os logradouros públicos, pertencentes a parcelamentos do solo para fins urbanos aprovados ou regularizados pelo poder local e registrados nos cartórios de registro de imóveis, localizados em terrenos de domínio da União.
 Art. 11.  As receitas patrimoniais decorrentes da venda de imóveis arrolados na Portaria de que trata o art. 6o, e dos direitos reais a eles associados, ressalvadas aquelas com outra destinação prevista em lei, comporão o Fundo instituído pelo Decreto-Lei no 1.437, de 17 de dezembro de 1975, e integrarão a subconta especial destinada a atender às despesas com o Programa de Administração Patrimonial Imobiliária da União - PROAP, instituído pelo art. 37 da Lei no 9.636, de 1998.
 Parágrafo único.  A receita obtida com a alienação de imóveis de autarquias e fundações será vinculada a ações de racionalização e adequação dos imóveis da própria entidade.
 Art. 12.  A Lei nº 9.636, de 1998, passa a vigorar com as seguintes alterações:
“Art. 37. Fica instituído o Programa de Administração Patrimonial Imobiliária da União - PROAP, destinado, segundo as possibilidades e as prioridades definidas pela administração pública federal:
I - à adequação dos imóveis de uso especial aos critérios de:
a) acessibilidade das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida;
b) sustentabilidade;
c) baixo impacto ambiental;
d) eficiência energética;
e) redução de gastos com manutenção; e
f) qualidade e eficiência das edificações;
II - à ampliação e à qualificação do cadastro dos bens imóveis da União;
III - à aquisição, à reforma, ao restauro e à construção de imóveis;
IV - ao incentivo à regularização e à fiscalização dos imóveis públicos federais e ao incremento das receitas patrimoniais;
V - ao desenvolvimento de recursos humanos visando à qualificação da gestão patrimonial;
VI - à modernização e à informatização dos métodos e processos inerentes à gestão patrimonial dos imóveis públicos federais; e
VII - à regularização fundiária.
............................................................................” (NR)
 Art. 13.  Os imóveis de propriedade da União arrolados na Portaria de que trata o art. 6o e os direitos reais a eles associados poderão ser destinados para a integralização de cotas em fundos de investimento.
 § 1o  O Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão editará Portaria para definir os imóveis abrangidos pelo caput e a destinação a ser dada a eles.
 § 2o  O fundo de investimento deverá ter em seu estatuto, entre outras disposições:
I - o objetivo de administrar os bens e direitos sob sua responsabilidade, podendo, para tanto, alienar, reformar, edificar, adquirir ou alugar os bens e direitos sob sua responsabilidade;
II - a permissão para adquirir ou integralizar cotas, inclusive com imóveis e com direitos reais a eles associados, em outros fundos de investimento;
III - a permissão para aceitar como ativos, inclusive com periodicidade superior a sessenta meses, contratos de locação com o Poder Público;
IV - a delimitação da responsabilidade dos cotistas por suas obrigações até o limite de sua participação no patrimônio do fundo;
V - a vedação à realização de operações que possam implicar perda superior ao valor do patrimônio do fundo; e
VI - a possibilidade de o fundo poder ter suas cotas negociadas em ambiente de negociação centralizada e eletrônica, inclusive em bolsa de valores e de mercadorias ou em mercado de balcão organizado.
 § 3o  Para os fins deste artigo, a União poderá selecionar fundos de investimentos administrados por instituições financeiras oficiais federais, independentemente de processo licitatório.
 Art. 14.  Fica a União autorizada a contratar a Caixa Econômica Federal para executar ações de cadastramento, regularização, avaliação e outras medidas necessárias ao processo de alienação dos bens imóveis, na forma do art. 1o, e representá-la na celebração de contratos ou em outros ajustes.
 § 1o  O Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão, permitida a delegação, editará Portaria para arrolar as áreas ou os imóveis  a que se refere o caput.
 § 2o  As receitas obtidas com as alienações e com as operações dos fundos imobiliários, descontados os custos operacionais, comporão o Fundo instituído pelo Decreto-Lei no 1.437, de 1975, e integrarão a subconta especial destinada a atender às despesas com o Programa de Administração Patrimonial Imobiliária da União - PROAP, instituído pelo art. 37 da Lei nº 9.636, de 1998.
 Art. 15.  O Decreto-Lei no 3.438, de 17 de julho de 1941, passa a vigorar com as seguintes alterações:
 “Art. 4o Os terrenos de marinha e os seus acrescidos ficam sujeitos ao regime de aforamento, exceto os necessários aos logradouros e aos serviços públicos ou quando houver disposição legal em sentido diverso.
............................................................................” (NR)
 Art. 16.  O Decreto-Lei no 9.760, de 1946, passa a vigorar com as seguintes alterações:
 “Art. 100.  ....................................................................
......................................................................................
 § 7o  Quando se tratar de imóvel situado em áreas urbanas consolidadas e fora da faixa de segurança de que trata o § 3o do art. 49 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, serão dispensadas as audiências previstas neste artigo e o procedimento será estabelecido em norma da Secretaria de Patrimônio da União.” (NR)
 Art. 17.  Esta Medida Provisória entra em vigor na data de sua publicação.
 Art. 18.  Ficam revogados:
I - o inciso III do caput do art. 24 e o inciso II do caput do art. 27 da Lei nº 9.636, de 15 de maio de 1998; e
II - o art. 1o da Lei no 13.139, de 26 de junho de 2015, na parte em que altera a redação do art. 100 do Decreto-Lei no 9.760, de 5 de setembro de 1946.
 Brasília, 31 de agosto de 2015; 194o da Independência e 127o da República.

DILMA ROUSSEFF
Nelson Barbosa

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Estado Deve Oferecer Recursos Para Conclusão de Projeto de Gerenciamento Costeiro

Jaguaruna é um dos municipíos do estado de Santa Catarina que é cercado por praias, no total são dezenove balneários num total de 37,5 km de orla marítima,e com todo este espaço muitas casas foram construídas em áreas irregulares sem qualquer licença ambiental um dos fatores que motivaram o projeto de gerenciamento costeiro no municipío .
Desde o ano de 2002 autoridades tentam regularizar as construções em áreas de preservação permanente,e no ano de 2012 o ministério público proibiu a compra e venda ,construção ou reforma de casas nestes loteamentos considerados irregulares,com tudo isso aconteceu uma queda na economia do município,segundo o Prefeito Luiz Napoli o comércio  esta parado  principalmente nos balneários onde existem comércio de materiais e construção  que estão sem vender devido a proibição de construções a beira mar.
O estudo sobre o impacto negativo sobre as dunas,lagoas e vegetações foi elaborado com o objetivo de saber o que pode ou não pode ser feito  a beira mar ,e o objetivo do projeto é de preservar as areas de preservação permanentes e liberar as áreas consolidadas.
Para o Vereador Sérgio Luiz de Bitencourt o importante são as áreas consolidadas,as áreas que podem ser aproveitadas e são as consolidadas.Para o diretor do IMAJ –Instituto do Meio ambiente de Jaguaruna Wilson Teodoro o objetivo do projeto é proteger o que que tem que ser preservado ,principalmente as áreas de app,se protegermos o meio ambiênte nós  também estaremos favorecidos.A Universidade Federal do Rio grande do sul realiza o estudo no municipío de Jaguaruna desde de 2012 e  após três anos de trabalho a frente do projeto será entregue o terceiro diagnóstico sobre a área pesquisada ,que posteriormente viabilizará os próximos passos para conclusão do projeto de gerenciamento costeiro no municipío de Jaguaruna.
Para conseguir a liberação do estudo são necessários recursos financeiros,a associação dos balneários de Jaguaruna ABJ já pagou o equivalente a 80 mil reais de um total de R$ 240 mil que é o custo total do projeto elaborado pela universidade federal do rio grande do sul.
Em reunião em Florianópolis o  governo do estado de santa catarina se comprometeu em disponibilizar os R$ 160 mil reais restantes para concretizar o pagamento do projeto .
Para o Prefeito de Jaguaruna Luiz Nápoli  tendo estes recursos liberados, ai teremos o diagnóstico em mãos para apresentar para o ministério público e dai pra frente fica por conta da procuradoria Federal que irá analizar caso a caso a situação dos nossos balneários ai é que poderá se saber qual é  as áreas consolidadas que podrão ser liberadas.

Fonte www.portaljaguaruna.com

Gerenciamento costeiro de Jaguaruna – Entenda como caminha esse processo

Os Técnicos do IMAJ- Instituto do Meio Ambiente de Jaguaruna esclareceram em qual estágio se encontra o gerenciamento Costeiro nos Balneários de Jaguaruna. Segundo o Diretor do Imaj Wilson Teodoro  o gerenciamento  costeiro da orla marítima de Jaguaruna já esta com um estudo bem avançado já esta em fase final, o Imaj esta em negociação com o ministério público federal inclusive com um Tac –termo de ajuste de conduta na mesa do desembargador e estamos aguardando a decisão do ministério público para que possamos liberar as áreas consolidadas em toda orla marítima Jaguarunense e só estamos dependendo apenas do ministério público para que possamos ter as áreas deliberadas. Segundo Wilson já aconteceu reunião com todos os órgãos ambientais e estivemos também nos reunindo na secretaria estadual de planejamento do estado onde aconteceu os acordos para deliberar as áreas consolidadas.  Já o vereador Sérgio Luiz de Bitencourt um dos abnegados na causa do gerenciamento costeiro em Jaguaruna existe um uma luta de aproximadamente quase quatro anos que estamos trabalhando tentando liberar os embargos ambientais em nossa orla marítima, e a minha luta é constante faço cobranças a todas as autoridades inclusive ao Governador, secretário de desenvolvimento, secretário de planejamento, ministério público em fim todos já foram cobrados. Contratamos a universidade federal do Rio Grande do  Sul que é a pioneira neste tipo de projeto é a terceira do mundo no desenvolvimento de gerenciamento costeiro através do Dr. Nelson Gruber e que nos tem amparado neste trabalho relacionado ao gerenciamento costeiro em Jaguaruna. Foram realizados dois diagnósticos e o terceiro esta sendo finalizado e será entregue brevemente ao presidente da ABJ –Associação dos Balneários de Jaguaruna e é apenas isso que o ministério público esta esperando para mim Vereador Sérgio Bitencourt e para o Prefeito Luiz Nápoli é uma questão de honra para que possamos liberar estas áreas consolidadas que desde 2011.
O que são áreas Consolidadas dentro do projeto do gerenciamento Costeiro?
São áreas projetadas com aberturas de ruas e que já tem as suas devidas infra estrutura básicas, rede elétrica , pavimentação completa, meio fio calçamentos, abastecimento de água própria a comunidade.
Segundo o vereador Sérgio Luiz de Bitencourt o  ministério público esta sendo parceiro e o gerenciamento costeiro sairá sim em Jaguaruna, recentemente estivemos no ministério público e só esta dependendo da entrega do terceiro diagnóstico que será entregue pela universidade federal do Rio Grande do Sul que irá dizer quais são as áreas consolidadas que serão liberadas e as áreas virgens ficará para um quarto procedimento.

Fonte: portaljaguaruna.com

quarta-feira, 18 de março de 2015

Fim de temporada, hora de redobrar a atenção com sua casa de praia

Morar em frente ao mar é o sonho de muita gente. Mas só quem é vizinho do mar sabe os danos que ele pode causar às casas móveis e ele eletrodomésticos. Os estragos são culpa da maresia, fenômeno de corrosão acelerada pela presença de sais do oceano. A mistura de água e sais, quase imperceptível, da maresia é responsável pelo processo de ferrugem nas casas. Tão problemático quanto isso é a questão da segurança do imóvel que nesta época de baixa temporada fica a mercê de vândalos e desocupados que infernizam a vida dos proprietários.
Com o fim da temporada de verão e a chagada do outono, que derrubam as temperaturas, os imóveis do litoral acabam ficando vazios e fechados por grandes períodos de tempo. Para manter móveis, objetos e a própria ca­­sa ou apartamento em bom estado de conservação é preciso pensar em como armazenar ou acondicionar roupas, eletrodomésticos e móveis.

A primeira indicação é fazer uma boa faxina na casa antes de fecha-la e voltar das férias. É preciso eliminar focos de umidade e o ideal é deixar os móveis e objetos “res­­pirarem” durante o período em que a casa ficará fechada. Colchões, estrados e almofadas devem ficar na posição vertical. Armários dos quartos, cozinha e banheiro devem ficar abertos, para evitar odores desagradáveis. A vedação nas portas e janelas deve ser verificada, para diminuir a ação da maresia, que é oxidante e corroe metais.

Além dos móveis, roupas de cama, mesa e banho que costumam ser mantidas na casa da praia merecem atenção especial. O ideal é manter o menor número de peças possível. O que vai ficar na casa precisa de cuidados. Os especialistas explicam que é essencial lavar e secar bem todas as roupas que forem ficar por muito tempo sem uso. “O melhor é evitar a umidade, que é causadora de mofo e mau cheiro”, diz.

Uma boa solução é deixar as roupas guar­­dadas em embalagens de te­­cido-não tecido (TNT), que permite que as roupas respirem e não fiquem amareladas ou mofadas. Essas embalagens não devem ficar em locais fechados, portanto, a ordem é manter a ventilação dos armários e despensa. A dica para tapetes é mantê-los pendurados e não dobrados dentro dos guarda-roupas.

A recomendação não vale apenas para toalhas e lençóis. Panos de prato e de limpeza devem ser guardados da mesma maneira. Talheres, pratos e utensílios da cozinha, como potes e travessas, também precisam estar lavados e bem secos. Use organizadores de talheres e organizadores de pratos para manter tudo fora da poeira. Para os pratos, é interessante colocar um papel toalha ou disco de feltro fino para proteger um prato do outro

Espaço otimizado

Para ganhar espaço na organização da casa de veraneio, é possível usar embalagens a vácuo. “A retirada completa do ar, comprimindo a embalagem, é útil para ganhar espaço e também porque, sem ar, as peças ficam mais protegidas contra fungos e bolor.  Até eletrodomésticos podem ser guardados nesse tipo de embalagem, que está disponível para venda em lojas de utilidades para o lar. Eletrodomésticos maiores e móveis, como televisores e sofás, podem ser cobertos para proteger do pó. Para geladeira é importante limpar, secar e não deixar nenhum mantimento.

Segurança da casa

Além de cuidar dos móveis e objetos que ficarão dentro de casa, a preocupação com a segurança do imóvel também é essencial. Com mais frio e menos visitantes e turistas nos balneários, as casas ficam vulneráveis. Para não deixar o patrimônio à mercê de ladrões, a indicação é investir em segurança privada. Instalar alarme e deixar uma pessoa de confiança avisada sobre a casa estar vazia também são dicas importantes. É importante que o proprietário não deixe o imóvel fechado e esquecido, como muita gente faz.  É recomendado que proprietário se desloque com alguma frequência até a praia uma ou duas vezes por mês, para deixar os jardins em dia e mostrar que há movimento.  Com pouca gente nas ruas e nas casas, crescem os casos de furtos às residências.

Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Projeto pode transformar as áreas de restinga em APP Caso seja aprovada, os municípios serão afetados economicamente.

Decisão judicial

Projeto pode transformar as áreas de restinga em APP
Caso seja aprovada, os municípios serão afetados economicamente.

Uma das áreas coberta pela vegetação de restinga é localiza no Balneário de Arroio Corrente, em Jaguaruna - 

Uma decisão judicial emitida pelo juiz Rodrigues Fagundes Mourão, de Florianópolis, acatou a solicitação do ministério público estadual para transformação imediata de toda a vegetação de restinga para que a mesma seja considerada área de preservação permanente (APP).

“A vegetação de restinga está presente em 100% dos municípios do nosso litoral, e em muitos casos faz parte da vegetação urbana das cidades e de empreendimentos consolidados”, informa  o engenheiro ambiental, de Tubarão, Alexandre Martins da Silva.

Uma comissão formada por diversos órgãos se reuniram para discutir ações conjuntas entres entidades de diversas áreas em razão da sentença proferida na ação civil pública, que considera a vegetação de restinga como APP.
O engenheiro anuncia  esta decisão, que ainda está em trâmite, além de colidir expressamente com o texto legal do Código Florestal e Lei da Mata Atlântica, impacta profundamente na economia catarinense. 

“Já temos uma legislação quanto as área de APP, o que falta é mais fiscalização. Não se pode generalizar toda interpretação pelo simples fato de um local existir uma vegetação de restinga. Se isto ocorrer teremos uma grande insegurança jurídica, técnica e uma paralisação geral nas obras de infraestrutura”, alerta Alexandre.

Próximas ações
No próximo mês uma nova reunião entre os participantes da comissão que estuda a situação catarinense deverá ser marcada. “Ficou definido que o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea/SC), irá fazer uma mapa com todas as cidades e áreas que tem vegetação de restinga. A Associação dos Municípios da Região de Laguna (Amurel), irá realizar uma metodologia de levantamentos econômicos de quanto os municípios irão ser afetados economicamente, caso esta decisão seja aprovada e outros itens relevantes devem  ser apresentados”, descreve Alexandre. 

Comissão
Fazem parte do grupo representantes da Comissão de Meio Ambiente de Santa Catarina (CMA), Federação Catarinense dos Municípios (Fecam), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/SC), Fundação Municipal do Meio Ambiente de Florianópolis (Floram), Crea , Associação de Geólogos de Santa Catarina, Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon), Amurel e Associação Catarinense de Engenharia Sanitária e Ambiental. 


Por Silvana Lucas (Notisul)

domingo, 25 de janeiro de 2015

Relatório de Balneabilidade da FATMA confirma - As praias de Jaguaruna são as melhores para o banho

O terceiro relatório de balneabilidade do estado catarinense foi divulgado nesta sexta-feira dia 23 de janeiro de 2015. E, desta vez, 77 praias estão impróprias para o banho.

 A informação foi anunciada pela Fundação do Meio Ambiente (Fatma). A novidade, porém, é que aumentaram para 11 os pontos negativos desde a última análise. 

Na região, foram avaliadas 21 praias, sete em Laguna, quatro em Garopaba, sete em Imbituba e três em Jaguaruna. E apenas nas duas últimas cidades é que todos os pontos estão próprios para o banho. 

Na Cidade Juliana, os locais impróprios são: na Lagoa da Cabeçuda, em frente ao quilometro 313 na BR-101, na Praia do Gi no posto de guarda-vidas e na Prainha do Farol, na entrada da praia. 

Já em Garopaba, quase todos os locais analisados estão ruins para entrar no mar. Na praia da Ferrugem, no acesso principal, na praia de Garopaba, na rua Lauro Müller, e na praia do Siriú, na Estrada Geral.

O número de locais impróprios para banho de mar é maior por causa da alta ocorrência das chuvas que atingiram os municípios litorâneos nas últimas três semanas.

A orientação é que os veranistas acompanhem todas as condições das águas por meio dos boletins divulgados pela Fatma. Este foi o décimo relatório fornecido nesta temporada. 

No total, foram 27 municípios que tiveram amostras coletadas, na qual estiveram em análise 199 praias. Somente oito apresentaram todos os locais próprios para o banho de mar, entre elas Jaguaruna e Imbituba.

Vegetação da restinga - Plantas simbolos da Praia do Campo Bom

Entre os diferentes ecossistemas que formam o Bioma da Mata Atlântica e que conferem uma grande diversidade à paisagem temos a restinga. De acordo com a RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993 do CONAMA da -se o nome de restinga toda a vegetação que recebe influência marinha, presente ao longo do litoral brasileiro, também considerada comunidade edáfica, por depender mais da natureza do solo do que do clima. Este tipo de vegetação é encontrada em praias, cordões arenosos, dunas e depressões e se caracterizam por apresentar folhas rijas e resistentes, caules duros e retorcidos e raízes com forte poder de fixação no solo arenoso. O solo da restinga é composto basicamente por areia de quartzo + uma capa de humus o que tornam salgados e pobres em nutrientes.